Quarta-feira, 13 de Abril de 2011

Felicidade é algo que todos procuramos, porém, às vezes esta procura pode parecer-nos um beco sem saída, mas na verdade, tudo o que precisamos fazer é abrir bem os olhos e apercebermo-nos da porta que se encontra nesse beco escuro.

            Se me perguntarem se sou feliz, a minha resposta, sem hesitações, só pode ser uma: sim, sou feliz. Não, não tenho tudo o que quero, e não, também não sou tudo aquilo que sempre desejei ser. Mas tenho aquilo que necessito: pessoas que me amem. Isto é o suficiente para construir a felicidade que tanto se deseja, porque a felicidade não se compra, e também não se ganha, encontra-se! E por muito pequena que a minha experiência de vida seja, eu posso dizê-lo sem margem de dúvidas que a encontrei. Encontrei-a porque a vontade a isso me levou. Não quis ser um infeliz e procurei uma resposta, que estava mesmo a frente dos meus olhos. Essa resposta não era nada mais nada menos que o amor.

            O amor não é algo que se sinta quando se vive em solidão, o amor é algo que só existe quando o partilhamos com alguém. Assim sendo, a solidão não é nada mais nada menos que uma barreira para a felicidade. Barreira essa que, parecendo difícil de ultrapassar, não o é, na realidade, pois não somos os únicos que procuram ver-se livre dessa solidão em que um dia se encontram: todos procuram o mesmo, e quando assim é, apenas precisamos deixar que esses outros entrem no nosso mundo e em troca eles deixam-nos entrar no seu. Vendo bem, a felicidade, por muito complexa e ambicionada que seja, não é difícil de encontrar

A felicidade só é real quando partilhada, a mais pura das verdades. De que nos serve rir num mundo infeliz onde tudo o que ouvimos é o eco desse mesmo riso? Ser feliz num mundo de infelizes é por si só triste. E o que podemos fazer para mudar isso? A resposta parte de cada um. A felicidade de cada um deve ser partilhada, todos os dias, todas as horas, todos os minutos. Assim se cria um ciclo, um ciclo de felicidade. E lembrem-se, tudo pode começar num sorriso, sorriso esse que pode mudar o mundo. Sorriso esse que pode acabar com o ódio entre os homens e criar um mundo melhor. Às vezes tudo se resume a um mero sorriso, pois é através deste mesmo sorriso que partilhamos a nossa própria felicidade com o mundo. E ao ver o nosso sorriso, as outras pessoas irão também animar o seu dia e sorrir para outra pessoa… E tudo começou com aquilo que pensávamos ser um mero sorriso… E acabou na felicidade mundial. Como já referi, a nossa própria felicidade parte dessa mesma felicidade, pois é a nossa felicidade que, quando partilhada, irá criar a felicidade dos outros, o que contribui para a nossa própria felicidade. A felicidade é assim contagiosa, contagio esse que todos devem profanar.

Muitos, após lerem isto, irão de certeza perguntar: se essa procura é assim tão fácil, porque vivemos então num mundo infeliz? A resposta é muito simples. Preocupamo-nos de mais com aquilo que não interessa. E refiro-me ao dinheiro, maldição eterna de todos os homens, ambição cega que cria o ódio e faz esquecer a busca da verdadeira felicidade. O dinheiro não vale de nada se não somos felizes, mas a felicidade é tudo mesmo sem dinheiro. Mais vale morrer nu com um sorriso na cara, que triste com uma nota no bolso. E só de pensar que é essa mesma nota que faz uma guerra… Como quer ser o homem feliz com armas na mão? O homem é cego, cego pela nota que apensa o arruína. Mas chegará um dia que essa cegueira vai cessar, porque eu acredito que o sorriso que eu dei esta manha, de alguma forma chegará a esses homens cegos, e esse sorriso, forma de partilha da felicidade, despertará neles o verdadeiro desejo de serem felizes, e sorrir também para o mundo. Afinal, porquê trocar balas quando podemos trocar amor? Se todos procuramos a felicidade, porque não nos ajudamos uns aos outros e acabamos com esse ódio e somos felizes? Quando todos ajudam, nada custa.

Acreditando eu mesmo na minha própria felicidade e na daqueles que amo, tenho a certeza de que esta é possível. E se nos é possível a nós, porque não há-de ser possível a todos? Está tudo num sorriso… Por isso, sorri.

 Não chores porque morro infeliz, sorri porque vivi feliz. Morro infeliz por deixar este mundo e aqueles que me são queridos, aqueles com quem partilhei a minha própria felicidade, mas ao mesmo tempo, feliz, pelo facto de eu próprio viver feliz nos corações desses mesmos. Recordar é viver, e enquanto formos recordados, estamos vivos. Vivi feliz (e ainda vivo) porque realmente assim todos contribuíram (com um sorriso, que fosse). Não chores, sorri, porque assim é meu desejo, porque foi por esse sorriso que acordei e vivi todos os dias da minha vida, pois era esse sorriso que me fazia feliz. Fui feliz porque assim vocês o desejaram, portanto, sorriam por mim, e não deixem que o meu próprio sorriso morra, porque se esse sorriso morrer, tudo aquilo porque lutei será em vão. “Façam o favor de ser felizes”.

A felicidade está bem diante dos nossos olhos. Existem obstáculos, mas estes são fáceis de contornar, tudo se baseia no amor. Não deixes que coisas fúteis interfiram na tua procura. Partilha a tua felicidade. Sorri!

 

            Francisco Duarte Silva 11º B

 



donos das palavras pratadanossacasa às 14:54
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Esta é a nossa casa. A prata que lá temos são meninos, não de prata mas de ouro...
Colégio Dom Diogo de Sousa

Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Baú de escritos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO