Sexta-feira, 17 de Junho de 2011

Simples, este foi um dos pioneiros na exploração surrealista na nossa nação, e para além de pioneiro foi um dos mais relevantes e assumidos escritores a levar a escrita para um mundo que permitisse ultrapassar barreiras físicas e até mesmo ideológicas, para um mundo onde o único limite é a não existência de limite e onde o exagero torna o ridículo a mais comum das aparições.

Não é fácil olhar para um poema e nada ver, nada ver para além das poucas, simples e míseras linhas e letras que ele contém, mas aprofundemos e reparemos que talvez todas essas linhas tenham um sentido, o sentido de ajudar a alinhar as letras, letras essas que por sua vez ajudam a alinhar as linhas. Há uma ajuda, um acordo, uma interacção mútua que não pode passar despercebida em tal poesia, toda a simples palavra tem um propósito, tem o propósito de nos fazer passar para além do além e de, ao ultrapassarmos tal feito, conseguirmos associar tudo ao nosso simples dia-a-dia, ao nosso quotidiano. 

Não podemos agir de forma passiva, não podemos ler e engolir, ler e engolir, temos de perceber, temos de transferir o que nos é permitido de forma irreal para a forma real de possível concretização do ideal apresentado, não é por acaso que Cesariny escreve, não para o acaso que Cesariny escreve, não é sem acaso que Cesariny escreve. 

 

David Duque, 10.ºE



donos das palavras pratadanossacasa às 13:37
Sexta-feira, 17 de Junho de 2011

Florença-a-flor-que-não-por-vezes-não-pensa-excluindo-quando-não-está-no-facebook era uma jovem como outra qualquer, mas só que era diferente. Tinha os seus 20 anos quando se apercebeu que vivia isolada no mundo, apenas com amigos virtuais.

Um dia, descobriu uma página da Web chamada facebook (porque até então só conhecia o hi5) e, a partir daí, a sua vida mudou. Ele conheceu o seu amor verdadeiro que, até então, era o jogo Counter Strike.

Tudo começou com uma simples troca de mensagens no facebook e, passado uma semana, já iam ao cinema no Gold Center e ao parque da Rodovia andar de triciclo. Como este amor era muito forte, ao fim de duas semanas decidiram fazer a união de facto. O mais importante para eles era a Lua de mel e não o casamento, pois nela eram contidas atividades didático-pedagógicas como, por exemplo, descansar, passear e fazer filhos.

Esta aventura culminou com uma viagem pelo país. Partiram da cidade dos arcebispos e, quando regressaram, descobriram que Braga ao contrário não quer dizer nada.

Manuel Gonçalo e José Vilaça – 10.º E



donos das palavras pratadanossacasa às 13:35
Esta é a nossa casa. A prata que lá temos são meninos, não de prata mas de ouro...
Colégio Dom Diogo de Sousa

Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Baú de escritos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO