Sexta-feira, 17 de Junho de 2011

Simples, este foi um dos pioneiros na exploração surrealista na nossa nação, e para além de pioneiro foi um dos mais relevantes e assumidos escritores a levar a escrita para um mundo que permitisse ultrapassar barreiras físicas e até mesmo ideológicas, para um mundo onde o único limite é a não existência de limite e onde o exagero torna o ridículo a mais comum das aparições.

Não é fácil olhar para um poema e nada ver, nada ver para além das poucas, simples e míseras linhas e letras que ele contém, mas aprofundemos e reparemos que talvez todas essas linhas tenham um sentido, o sentido de ajudar a alinhar as letras, letras essas que por sua vez ajudam a alinhar as linhas. Há uma ajuda, um acordo, uma interacção mútua que não pode passar despercebida em tal poesia, toda a simples palavra tem um propósito, tem o propósito de nos fazer passar para além do além e de, ao ultrapassarmos tal feito, conseguirmos associar tudo ao nosso simples dia-a-dia, ao nosso quotidiano. 

Não podemos agir de forma passiva, não podemos ler e engolir, ler e engolir, temos de perceber, temos de transferir o que nos é permitido de forma irreal para a forma real de possível concretização do ideal apresentado, não é por acaso que Cesariny escreve, não para o acaso que Cesariny escreve, não é sem acaso que Cesariny escreve. 

 

David Duque, 10.ºE



donos das palavras pratadanossacasa às 13:37
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Esta é a nossa casa. A prata que lá temos são meninos, não de prata mas de ouro...
Colégio Dom Diogo de Sousa

Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Baú de escritos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO